Poeta de Candelária lança cordel sobre o cão Tibé

O cão sempre protagonizou histórias diversas. Algumas delas: Cérbero, Lassie, Rin-Tin-Tin, Bethoven, outros. Em Candelária não foi diferente, o bairro também ganhou seu herói canino, Tibé. Adotado e batizado, integrou a paisagem do bairro durante 15 anos. Nas mãos do poeta Manuel de Azevedo, a história do cão também virou cordel, lançado na noite do dia 19 de novembro de 2010.

    Segundo o autor, a obra traz uma compilação de fatos vivenciados pelos moradores de Candelária com o cão. ‘‘A chegada de Tibé ao bairro foi tumultuada. Após ser atropelado, o animal foi acolhido e tratado pelas crianças do bairro, e logo conquistou o carinho e atenção dos demais moradores’’, afirma.
    Apesar de não morar em Candelária no período em que o cão vivia no bairro, Manuel conhecia a história do cachorro através de relatos de amigos. ‘‘Tibé frequentava praças e quadras, bares e restaurantes e tinha um atendimento diferenciado. Não existia uma só pessoa em Candelária que não conhecesse o animal’’, destacou.
    Uma das aventuras narradas pelo cordel, é uma passagem em que os moradores fizeram uma brincadeira, lançando Tibé para Vereador. Por surpresa, se fosse candidato, o cachorro ganharia as eleições no bairro. Outras passagens falam de incidentes que o animal sofreu, um deles, que ocasionou a sua morte, em 2005.
    Antonio Félix, mais conhecido como Félix, mora em Candelária há 23 anos, e relembra saudoso alguns fatos curiosos sobre o cachorro. ‘‘Uma curiosidade sobre Tibé, é que quando a gente dava um espetinho pra ele, o cão segurava o palito de churrasco com a pata, e ia comendo os pedaços de carne de um em um. Tibé era um animal muito inteligente’’, ressalta.
    O lançamento do cordel aconteceu no marco fundador de Candelária, local onde Tibé foi enterrado e contou com a presença de moradores do bairro e cordelistas da Casa do Cordel. Uma estátua e um curta metragem em homenagem ao cão já estão sendo planejados.